fbpx

____4.5.5 Dimensionamento da Ligação às Redes Públicas de Telec.

____4.5.5 Dimensionamento da Ligação às Redes Públicas de Telec.

4.5.5 DIMENSIONAMENTO DA LIGAÇÃO ÀS REDES PÚBLICAS DE TELECOMUNICAÇÕES

Para a entrada subterrânea, destinada à ligação às redes públicas de telecomunicações e considerada de

construção obrigatória, recomenda-se como mínimo o indicado na tabela seguinte:



Para os tubos acima referidos não poderão existir curvas inferiores a 120º.

A tubagem referida, que permite a ligação das redes públicas de telecomunicações ao ATE ou CEMU,

poderá ser prolongada até às caixas de visita dos diversos operadores, por acordo de todas as partes

interessadas.

Nas entradas aéreas, de construção opcional, recomenda-se como mínimo:

• Um conjunto de 2 tubos de 32mm de diâmetro, ligados ao ATE, ATI ou CEMU, destinados à

separação dos serviços em cabos de pares de cobre dos suportados em cabos coaxiais;

• Onde exista transição da rede subterrânea para a aérea pelo exterior, far-se-á através de um tubo

metálico, na vertical.

Para os cabos em pares de cobre, deverão ser respeitadas as dimensões mínimas constantes da tabela

seguinte:



As entradas aéreas, quando existam, não devem ser normalmente utilizadas na ligação às redes públicas,

excepto em casos onde não exista outra alternativa, ou em emergências.

NOTA 1: O acesso às ITED deverá ser assegurado em condições de igualdade aos operadores e

prestadores de serviços de telecomunicações, ao abrigo dos artigos 30º e 38º do DL 59/2000. Em edifícios

construídos ao abrigo de antigos regimes o proprietário do edifício poderá aconselhar-se junto de

operadores ou entidades certificadoras, para decidir quanto ao uso do espaço existente nos tubos de

entrada de cabos, solicitar a substituição de um cabo que esteja sobredimensionado, ou ainda promover a

divisão do antigo RGE aí existente, de modo a permitir o acesso dos diversos operadores.

NOTA 2: A ligação da entrada subterrânea do edifício às redes públicas de telecomunicações,

nomeadamente às câmaras de visita de operadores, não sendo obrigatória é vivamente recomendada. No

caso de se pretender efectuar a referida ligação, deverá o dono da obra ou o proprietário do edifício, entrar

em contacto com as respectivas concessionárias das redes públicas.


Recommended Posts

Deixar uma resposta